Nome
*
E-mail

*
Mensagem




27.01.04 // A Espinha do Diabo

Já que eu falei da Comunidade, deixe eu comentar outro produto espanhol. ´El espinhazo Del Diablo´ sofre de um caso grave de múltiplas personalidades. Ao invés de se concentrar em ser um filme de horror bom, um drama político ou um filme de mistério ele tenta ser os três ao mesmo tempo e falha terrivelmente. Uma maçaroca indefinida que não assusta nem interessa. O que foi uma decepção, já que o Blade 2 (dirigido pelo mesmo Guilhermo Del Toro) é bem divertido, apesar do primeiro ser uma daquelas coisas que nunca deveriam ter visto a luz do dia. Ou o escuro de um cinema. Ah, você entendeu.

03:31 PM | mais Cinema | Comente. (45)


// A Comunidade, de Alex de la Iglesia

Assistido em DVD, já que foi lançado por aqui. Esse é um dos últimos filmes do diretor Alex de la Iglesia, queridinho dos fãs de horror. Deixo relatado aqui que achei uma bela porcaria, um arremedo dos filmes de paranóia urbana do Polansky com uma música tema chupada do Bettlejuice que é esticado forçosamente por duas horas quando podia ter se resolvido em vinte minutos. A Carmen Maura que ganhou o prêmio Goya pela sua atuação, que é muito mais assustadora que a obra do pintor que dá nome a premiação, só que pelos motivos errados.

03:08 PM | mais Cinema | Comente. (23)


// Leitura essencial para se entender o moderno jornalismo musical brasileiro.

Why am I hungry? Today my dad read this at internet. This is so sad to me, right?

Please, take off our correspondence from internet. This is not fair.

The Mario Marques-Daniella Thompson Correspondence. Imperdível para os fãs de Mario Marques.

10:37 AM | mais Notícias | Comente. (95)


26.01.04 // LJA vs. Vingadores #1 e #2

Crossovers em geral são baseados em 3 pontos cruciais de roteiro:

1) Os heróis se encontram e por causa de algum mal-entendido, brigam.
2) Os heróis percebem o erro, se tornam amigos...
3) ... e finalmente se unem para lutar lado a lado contra um inimigo comum.

Com ´JLA vs. Vingadores´ não é diferente. Mas existem dois grandes méritos na mini-série, o primeiro sendo a quebra de uma regrinha muito importante que não foi listada ai em cima: Como existe uma legião de fãs de cada um dos heróis envolvidos na peleja, as lutas sempre devem acabar em um empate. A coisa mais interessante da série talvez seja a quebra desse paradigma. Busiek apresenta os vingadores como um grupo bem menos poderoso que a Liga da Justiça (apesar de mais esforçado), com um Thor que perde uma luta sofrida para o azulão ou um mercúrio revoltado porque o Flash é mais rápido do que ele jamais poderá ser. Se você não acompanha hqs de super-heróis pode achar que isso é uma coisa boba, mas os fanboys vão perceber que alguma coisa muito séria aconteceu ali.

O segundo mérito fica na definição geográfica dos dois universos e em sacadas interessantes como a reação de alguns dos membros dos grupos as novas dimensões e energias de cada realidade. Acho que é a primeira vez que essas diferenças são tão bem detalhadas, e é divertido ver a Liga horrorizada em perceber como que o mundo de seus algozes é muito mais perigoso que o deles e como os EUA são tão menos desenvolvidos por não possuírem nenhuma das cidades imaginárias da DC. Já os Vingadores ficam ressentidos em perceberem como os super-heróis são tratados como popstars na outra realidade e maravilhados com a arquitetura de Metrópolis.

De resto, o roteiro de Busiek é bem cuidado apesar de às vezes apelar para recursos com pouca imaginação para dividir a ação entre os dois grupos. De qualquer maneira o homem conseguiu criar uma história que tinha uma altíssima probabilidade de se tornar uma coisa absolutamente ridícula em um roteiro bem divertido. Eu nunca fui muito fã do George Perez, mas as páginas duplas com cenas de batalha altamente complexas dão um ar de ´Onde esta Wally?´ que é bem legal. – Aonde que o capitão América zuniu aquele escudo dele? Ah, ta aqui!. Também fica mais divertido quando você descobre que a quarta edição americana atrasou porque ele desenvolveu uma LER depois de desenhar as 3 primeiras edições.

05:11 PM | mais Hqs | Comente. (42)


22.01.04 // Negócio da China

A compra da semana: o dvd americano de Bater ou Correr em Londres (Shanghai Knights) por 10 bagarotes, uhu! Essa segunda parte da franquia também estrela os mesmos Jackie Chan e Owen Wilson e um novo diretor, David Dobkin. O Chan todo mundo já conhece, o Wilson é uma cara relativamente nova. E vou te dizer peregrino, esse rapaz é a grande revelação do humor do começo dos anos 00 e fim do século passado. E ainda é dono do nariz mais bizarro e quebrado do show bussiness, que consegue se manter em um ângulo de 90 graus enquanto seu dono inclina a cabeça em 45. Mas seus dotes cômicos não se encerram nesse apêndice, deixo isso claro.

É engraçado notar que como geralmente acontece em comédias que se baseiam em uma dupla de atores, nesse segundo episódio do Bater ou correr, o diretor David Dobkin e os roteiristas Milles Millar e Alfred Dough (os mesmos de Smallville) perceberam melhor os pontos fortes da dupla e para utilizar melhor esses atributos abandonaram o que havia de realismo do primeiro filme e transformaram Bater ou Correr em Londres em um festival de besteiras que combina perfeitamente com seus protagonistas. Esse afinamento de tom também aconteceu no ´A Hora do Rush´ e provavelmente vai acontecer no novo ´Starsky e Hutch´ que repete a dupla do engraçadíssimo e desprezado ´Zoolander´, Wilson e Bem Stiller. Eu espero.

10:33 AM | mais Cinema | Comente. (39)


// O anticoncepcional do arcebispo

Assim como o embaixador israelense, não existe nada de surpreendente na atitude do arcebispo. Ele, como o primeiro, vive em seu próprio mundo de conto de fadas aonde os adolescentes não fazem sexo, aceitam Jesus Cristo em seus corações e guardam a sua pureza até o dia de seu casamento católico, acreditando que o melhor método contra a AIDS é o celibato. Nada mais justo. A coisa começa a pegar é quando as autoridades começam a ouvir e temer a opinião do clero. Caguei baldes se o Brasil é um país católico. É óbvio que a iniciativa de enviar contraceptivos para os adolescentes carentes sem o conhecimento dos pais é louvável (ainda que o ideal infelizmente utópico seria educar todos para conhecerem as conseqüências do que estão fazendo) e que acaba de ser mandada descarga abaixo por causa do medo de nosso prefeito idiota (perfeito idiota?) de perder apoio político dos setores religiosos da sociedade. Ou seja, os preceitos religiosos de um grupo acabaram de tomar uma decisão importante que vai afetar drasticamente a vida de pessoas que não dão a mínima se Deus fica com raivinha quando elas trepam sem Seu consentimento.

Vale lembrar também um outro episódio envolvendo um veto clerical que aconteceu a alguns anos, quando a MTV brasileira passou a exibir a série 'Deus é pai' de Allan Sieber. A mesma foi tirada do ar rapidamente depois de um pedido formal da igreja. Até mesmo uma emissora de tv que não deve absolutamente nada para o clero e não precisa de favores que eles possam oferecer não pensa duas vezes antes de retirar um produto de sua programação. Só pra você ter idéia de quem realmente segura as rédeas dessa bagunça que você vê por aí.

10:18 AM | mais Notícias | Comente. (35)


19.01.04 // You´re not a man of God!

Quem estiver a procura de boas gargalhadas pode aproveitar e assistir ´Em Nome de Deus´, em cartaz no Rio de Janeiro nessa semana. É uma bela comédia involuntária sobre três garotas que são mandadas para um convento no começo do século passado. Críticos de cinema das publicações mais respeitadas podem tentar convencer a você que aquilo é um filme sério e ainda mais: uma crítica ferrenha a igreja católica, mas não caia nessa! Quando você ler alguma coisa assim grite ´Comigo não violão!´ e ateeie fogo no jornal/semanário. Aquilo lá é uma grande piada (de mau gosto, porque priva o espectador incauto de 11 reais no mínimo), só que ninguém entendeu isso. Nem o diretor.

03:53 PM | mais Cinema | Comente. (36)


// Ah, que beleza!

Embaixador israelense destrói obra em museu
O embaixador de Israel na Suécia, Zwi Mazel, foi expulso do Museu Nacional de Antigüidades de Estocolmo, na última sexta, após ter destruído a obra "Snow White and the Madness of Truth" ("Branca de Neve e a Loucura da Verdade"), realizada pelo artista israelense Dror Feiler, em que há uma foto da mulher-bomba Hanadi Jaradat. "Para mim, é intolerável. Não era uma obra de arte, era uma aberração", afirmou Mazel. Segundo o diretor do museu, Kristian Berg, o embaixador ficou "louco" ao ver a obra.

Eu não acho isso um absurdo. O cara é o representante legal de Israel, oras. Esse tipo de atitude facista e estúpida é o mínimo que se pode esperar de uma pessoa no seu cargo. Claro que se você disser isso em voz alta vão te chamar de nazista. Mas não é esse o adjetivo pra qualquer um que discorde das atitudes de Israel?

01:22 PM | mais Notícias | Comente. (67)


// Ajudem o Nicolau!

O amiguinho Nicholas está com uma camisa concorrendo no Threadless, entrem e votem!

10:02 AM | mais Comunicados | Comente. (124)


// JP no JB

Confira hoje na capa do caderno B do Jornal do Brasil a matéria A identidade na aparência, com participação do Chuchuba Preta. UHU!

09:36 AM | mais Notícias | Comente. (111)


12.01.04 // Dia de cão

Pra quem não concorda em pagar os preços exorbitantes das empresas de tv a cabo, começa hoje na Grobo a série 24. Todos os 24 episódios da série se passam em tempo real (se a Grobo permitir) e detalham um dia de trabalho na vida do agente Jack Bauer, empregado de uma agência anti-terrorismo. Nesse primeiro ano da série, ele tem que impedir que o primeiro candidato a presidência americana negro com chances de vitória seja assassinado enquanto toma conta de sua filha limítrofe que não consegue ficar cinco minutos sem colocar sua vida em perigo e de sua mulher igualmente débil (afinal a burrice é hereditária).

A querida e amada Grobo vai exibir os episódios todos em um mês, o que deve proporcionar uma experiência interessante, ainda que estafante. Mas quem tiver a pachorra de assistir ao programa toda a noite vai ser apresentado a um belo exemplar de série televisiva aonde tudo funciona.

Atenção nas utilizações primorosas de split-screens que são bonitos ao mesmo tempo que ajudam a narrativa e a ótima atuação de Dennis Halbert, como David Palmer. Ele quase consegue te convencer que um candidato a presidência pode ser tão honesto e bom. Seu melhor papel desde que ele dublou aquele lanterna verde gigante e rosa do desenho da liga da justiça.

04:49 PM | mais Televisão | Comente. (37)


09.01.04 // Quem tiver de sapato não sobra!

O fato é que o melhor cineasta brasileiro vivo se tornou o melhor cineasta brasileiro morto. Se você nunca ouviu falar, fique sabendo que o homem era um gênio. Entre outras de suas realizações, ele foi o primeiro a utilizar o personagem Zé Bonitinho no cinema. Só por isso já merecia ser canonizado, mas isso não é tem um milésimo de sua obra selvagem e avacalhada.

Mas o cinema dele vive e quem quiser se por a par do que é Rogério Sganzerla, corra atrás dele em locadoras, cinematecas e na programação do Canal Brasil. Tem algumas coisas na Contracampo também.

E o Murillo Salles? Vai muitíssimo bem, obrigado.

04:33 PM | mais Cinema | Comente. (49)


07.01.04 // Retrospectiva 2003 :: Melhor Bar do Ano

Se você é leitor assíduo e lembra da saudosa e songa monga discussão sobre qual seria o melhor bar do rio ja sabe qual é o vencedor desse ano, certo? O Café Lamas, óbvio.

O ar condicionado continua frio, o chope também. A torrada Petrópolis, a guarnição à francesa, o filé à Oswaldo Aranha, os programas bizarros que passam na tv de madrugada, o Vieira, até o mate da casa continua muito bom. E esse ano até o garçom mais de mal com a vida (não vou citar nomes, mas ele é a cara do Chico, dos irmãos Marx) foi gentil um dia. Só isso já justificava a nomeação do estabelecimento.

E os preços... bem, eles não são altos, eu é que sou pobre. Se eu fosse rico ia achar tudo muito barato. O do mézis pelo menos é justo!

10:08 AM | mais Coisa Nenhuma | Comente. (124)


// Retrospectiva 2003 :: Melhor presunto do ano

09:56 AM | mais Coisa Nenhuma | Comente. (224)


06.01.04 // Retrospectiva 2003 :: Filmes

Quando você pensava que tinha acabado...

ONZE MELHORES FILMES DE 2003, NOS CINEMAS CARIOCAS

O Exterminador do Futuro 3: A Rebelião das Máquinas, de Jonathan Mostow
Um filme que tinha tudo pra dar errado e deu muito certo. Ação esperta e impecável para fazer a despedida perfeita do Governator.

Femme Fatale, de Brian De Palma
É aquilo né, tem gente que faz roteiros coerentes, desenvolve personagens, cria tramas plausíveis e tudo mais. E tem gente que faz cinema. Tipo o De Palma. Pra mim, isso que importa, não é?

Gangues de Nova York, de Martin Scorsese
O filme mais atual de 2003.

O Homem Sem Passado, de Aki Kaurismäki
Pra quem acha que a Finlândia só faz música indie...

Houve uma Vez Dois Verões, de Jorge Furtado
A qualidade desse aqui é inversamente proporcional ao orçamento.

Longe do Paraíso, de Todd Haynes
Além de ser genial tem a melhor direção de arte do ano. E leva o prêmio lagriminha no canto do olho.

A Promessa, de Sean Penn
Pra provar que o Sean Penn não é só um queixo proeminente que gostava de enfiar a porrada na Madonna.

Sobre Meninos e Lobos, de Clint Eastwood
Olha, sem comentários. Clint é o meu pastor e nada me faltará. Também é um filme atualíssimo, junto com o Scorcese.

A Viagem de Chihiro, de Hayao Miyazaki
Você esperava o que?

As Panteras Detonando, de McG
O filme mais injustiçado de 2003. É a comédia de ação do pós-modernismo!

X-Men 2, de Bryan Singer
Pra nego aprender que é possível fazer filmes de super-heróis com ação e cérebro ao mesmo tempo e deixarem de fazer coisas como o Hulk, que é ação ruim com atividade cerebral tacanha.


CINCO PIORES FILMES, NOS CINEMAS CARIOCAS

Demolidor – O Homem Sem Medo, de Mark Steven
O mais equivocado do ano.

Matrix Reloaded, de Andy e Larry Wachowsky
O mais perdido do ano.

Confissões de uma Mente Perigosa, de George Clooney
O mais qualquer coisa do ano.

Legalmente Loira 2, de Charles Herman-Wurmfeld
O mais decepcionante do ano.

Adaptação, de Spike Jonze
O mais pretensioso do ano.


FORA DE COMPETIÇÃO

Alphaville, de Jean-Luc Godard
Esse menino tem futuro.

03:25 PM | mais Coisa Nenhuma | Comente. (85)


// Retrospectiva 2003 :: O maior plágio do ano

A mesma velha história. No primeiro quadro temos o design do protagonista ´Eu, Robô´, que está sendo produzido em Hollywood. No segundo, o robô do clipe `All is full of love´ da Bjork, dirigido pelo excelente Chris Cunninghan, feito muito tempo antes. Lá no suburbio aonde eu fui criado a gente apedrejava quem fizesse isso.

02:55 PM | mais Coisa Nenhuma | Comente. (67)


// A Experiência Religiosa de Philip K. Dick

Esse link foi uma grata surpresa, uma adaptação em português para uma hq do Crumb ilustrando um relato de Philip K. Dick sobre os estranhos acontecimentos que dominaram sua vida em 1974.

Ainda sobre o assunto, estou lendo uma biografia do homem (que pra mim foi o melhor escritor de ficção científica do mundo) chamada ´Divine Invasions´ que é bem elucidativa. Meio mal escrita, parece uma matéria do ´O Dia´, mas a qualidade e quantidade das bizarrias que aconteceram com Dick dentro e fora da sua cabeça transforma qualquer livro que poderia ser besta em uma obra no mínimo bem interessante. Afinal não é todo mundo que foi tomado pelo espírito santo, teve sua casa invadida e seus escritos roubados duas vezes, recebeu mensagens cifradas pelo correio com combinações de palavras assassinas, foi investigado pelo FBI, alvo de lasers alienígenas, procurado por pesquisadores russos e transportado mentalmente para a Roma antiga. Uma vida divertida, afinal de contas.

E sem esquecer que em breve deve estrear no Brasil mais um filme baseado em uma obra do PKD, o ´Paycheck´, que como foi dirigido pelo John Woo corre o sério risco de ser bom pra cacete. Apesar de ter o Ben Afleck como protagonista, o CGI mais bem pago de Hollywood.

09:41 AM | Comente. (52)


05.01.04 // Retrospectiva 2003 :: Melhor velho maluco do ônibus

Foi aquele que entrou no coletivo, colocou a cabeça pra fora da janela e começou a gritar com um desconhecido que estava parado de pé no meio-fio que por sua culpa ele quase não havia conseguido entrar no carro, pois o pobre homem estava estratégicamente posiconado bem no meio do seu trajeto até a porta.

02:16 PM | mais Coisa Nenhuma | Comente. (54)


// Retrospectiva 2003 :: Melhor genérico de Hagen-Dazs

Desde que o pote decente de Hagen Dazs passou a custar mais de 20 reais eu desisti dessa guloseima em prol da minha saúde financeira. Qual não foi minha surpresa quando descobri que o sabor do Kibon Carte D´or sabor caramello toffe é quase idêntico ao Hagen de doce de leite. Isso tudo por um quarto do preço. Nem tudo na vida é dor e sofrimento afinal. Só 93%.

10:58 AM | mais Coisa Nenhuma | Comente. (116)


// Retrospectiva 2003 :: Pior atendimento

Um must do público masoquista, a locadora Macedônia do Catete continua firme e forte em sua carreira de pesadelo seinfeldiano. O grego sociopata que é dono do lugar conseguiu reunir um staff impecável, desde o animal que fica no caixa e trata todos os clientes como se fossem padres pedófilos até o esquisitão que fica no segundo andar e que desenvolveu uma rixa comigo porque eu esclareci a um casal de clientes uma dúvida que ele não conseguiu responder. Desde esse dia ele me olha meio de lado, crente de que eu tenho algum plano maligno para usurpar o seu cargo. Eu compreendo ele. O meu sonho sempre foi ser um atentende esquisitão de locadora.

Não podemos esquecer claro, dos fascinantes cartazes da casa:

"Fita não rebobinada multa de dois reais - NÃO RECLAME"
"PROIBIDO ENTRAR COMENDO SORVETE"
"Verifique se o filme dentro da caixa é o mesmo anunciado, NÃO FAZEMOS TROCAS"

Enfim, uma merda.

10:09 AM | mais Coisa Nenhuma | Comente. (65)


// Retrospectiva 2003 :: Melhor palito de fósforo

Sem dúvida o ano foi da marca Fiat Lux, que ganhou nos quesitos comprimento, velocidade de acendimento e qualidade da chama. Um clássico absoluto em todos os sentidos.

10:02 AM | mais Coisa Nenhuma | Comente. (56)


02.01.04 // Retrospectiva 2003 :: Melhor esfiha de queijo

A melhor esfiha de queijo continua sendo a do árabe da galeria Condor - "A Melhor Comidinha Árabe" - no Largo do Machado, invicta.

01:42 PM | mais Coisa Nenhuma | Comente. (48)


// Retrospectiva 2003 :: Melhor capa do ânus

Como já se podia esperar, o prêmio vai para a esmerada editora Cosac & Naif, pela sua edição de "História do Olho" de Georges Bataille, ilustrado por essa fotografia do grande Man Ray. Por causa de trabalhos assim é que eu ainda tenho uma empolgação mínima pelo mundo do design gráfico. Palmas pra eles.

01:38 PM | mais Coisa Nenhuma | Comente. (52)