Nome
*
E-mail

*
Mensagem




22.09.04 // O céu e o inferno - TT no festival do Rio

Começemos nossa jornada de beleza e horror pelo maravilhoso e estressante festival do Rio com dois filmes sublimes que você não deve assistir. Porque eles vão estrear logo após ao festival. A dica do festival do Rio sempre é procurar filmes com legendas eletrônicas, indício de que ele não foi comprado por nenhuma distribuidora ainda e pode demorar a estrear ou pior, nunca estrear.

E óbvio, se você não assistir a retrospectiva Sergio Leone, se mate.

Kill Bill II

Tão diferente de Kill Bill I quanto complementar. Se o primeiro é a carne, esse é o espírito. E os dois são brilhantes, nada menos que isso.

A Má Educação

Repito a mesma coisa que disse quando vi ´Fale com Ela´. O Almodóvar atingiu um nível tão absurdo, mas tão absurdo, que eu fico com medo da próxima obra-prima que ele vai fazer. Pra marmanjo chorar que nem uma criança que acabou de ter o olho furado com um ferro quente. Tssss.

09:20 PM | mais Cinema | Comente. (18)


16.09.04 // A mim, meus pupilos!

Tenho a incrível capacidade sobre-humana de ficar com dor de cabeça e no fundo dos olhos cada vez que ligam um microondas nas proxímidades. Será que consigo entrar pros x-men e lutar por um mundo que me odeia e teme? Tudo bem que eles fazem isso sem saber que eu sou uma aberração cromossomica, mas não vamos discutir sobre isso.

- Então, Microwave Master, existe algum microondas atrás dessa porta?
- Hmmm... deixe ver...
- Concentre-se! Essa informação é vital!
- Ok, acho que tem nenhum não.
- X-men! Ao meu comando! Atacaaaaar!
- Aaargh, não, é um MICROONDAS!

(vários sons de gritos agonizantes, gente estrebuchando, ossos quebrando, essas coisas)

- Mal aê!

06:54 PM | mais Baboseira | Comente. (12)


// Pi

No Orkut, qual é o valor total da multiplicação das fotos de gente bebendo pelas fotos de meninas olhando em contra-plongé para a câmera com cara de vem-cá-me-come multiplicadas pela raiz quadrada das fotos de crianças?

03:33 PM | mais Baboseira | Comente. (31)


15.09.04 // Falando hipoteticamente.

Se eu fosse uma pessoa muito ruim, dessas péssimas mesmo, eu poderia fazer alguma dessas três piadas cretinas aqui:

1.

É notório que a polícia brasileira é nula no quesito capacidades investigativas e quase nunca consegue resolver os casos que precisem de um mínimo de tutano. O que explica então, prenderem o serial killer de motoristas de taxi apenas depois da sétima morte? Logo esse aí que tinha planos tão bons para o futuro?


2.

Pensando bem friamente, acredito que pela primeira vez eu posso sem dificuldade entender perfeitamente os motivos que levam um assassino serial a praticar o seu Hobbie. Eu te entendo, matador de taxistas.


3.

Quando um cara pede pra você fazer uma corrida até um descampado distante no meio da madrugada você cobra bandeira dois por causa do horário ou dá um desconto porque ele está armado?


Mas eu não sou, então vocês NUNCA vão ver nada desse tipo. Prometo.

09:35 PM | mais Baboseira | Comente. (33)


13.09.04 // Está começando...

...e começando BEM.

03:46 PM | mais Cinema | Comente. (18)


09.09.04 // A Vila e O Marketing

Hoje, alguns dias depois de assistir ´A Vila´, eu considero do fundo do meu coração esse filme como a primeira obra prima de M. Night Shyamalan. Uma obra-prima estranha e assustadora. Mas não é assutadora de uma maneira que vá fazer você pular da cadeira (apesar de existirem alguns momentos assim), o medo de ´A Vila´ vem de uma coisa mais engenhosa. Ná. Não vou contar o final não, playboy. Pode ler.

Então eu olho pra esse filme, que é uma beleza, elegante, bem dirigido, atuações espetaculares, roteiro amarrado, instigante, uma fotografia tão bonita que dá vontade de chorar, e fico me perguntando naquelas noites escuras: Porque o público o odeia tanto?

A única explicação que consegui chegar até agora põe a culpa no marketing do filme. Como esse não é nem a pau um filme comercial, tiveram que reforçar a sina do ´final-supresa´ dos filmes do indiano. E justamente agora que ele tinha se livrado da muleta. Então o sujeito vai no cinema, descobre o segredo da história e se sente traído. Porque dessa vez não temos uma reviravolta, mas uma revelação que é parte integrante do problema proposto pelo filme. E aí o cara sobe nas tamancas. Porque pagou caro pra ver um filme de horror com uma reviravolta mirabolante e ganhou uma coisa muito mais sutil e incômoda.

Me contento com essa teoria. Público-alvo errado, só pode ser. Ou vocês estão todos loucos.

Nota: Se você não quer saber mais nada sobre o filme, principalmente sobre o final, não leia os comentários. Obregado.

05:21 PM | mais Cinema | Comente. (21)


// O Polêmico.

- Claudio Assis, sem jantar e direto pro quarto pra aprender a deixar de ser um moleque recalcado. Vê se aprende que você não é um gênio indiscutível do cinema. Sua mãe não te deu educação não é?

03:00 PM | mais Cinema | Comente. (31)


08.09.04 // Pagou, Levou.

A nova leva de propagandas contra o fumo tem uma que me pareceu bem interessante: "O Cigarro faz mal ao Brasil". Afinal, os hospitais públicos gastam sua verba sofrida cuidando de infelizes com câncer de pulmão, língua, esôfago, etc, etc, etc. Isso é fato. Mas também não é fato que essa verba é fornecida pelos impostos que saem do seu bolso? Se esse imposto é pago por mim, eu não deveria ter o direito de escolher se vou gastar ele na construção de uma maternidade para crianças talidomidas ou numa UTI pra me dar uma sobrevida por alguns meses enquanto eu empacoto devida as doenças decorrentes do cigarro? Não é essa a magia do capitalismo, ora bolas?

Façam uma coisa. Cada cidadão recebe um cartão magnético aonde os créditos decorrente dos impostos que eles pagam são depositados mensalmente. Quando é preciso construir um viaduto, os interessados vão até uma agência do IR, selecionam o código da obra referente, e fazem um pequeno depósito do seu cartão naquela iniciativa. Assim segue até completarmos a bufunfa necessária para a obra.

Quando fulaninho dá entrada no Paulino Werneck tossindo sangue, vem um enfermeiro com uma maquineta e fuich, desconta os créditos necessários do pobre coitado. Isso sim seria a civilização.

09:01 PM | mais Coisa Nenhuma | Comente. (14)


03.09.04 // Adicional de Risco.

Quando eu entrei para a promissora carreira do design gráfico pensei que os riscos da profissão se restringiam a destruição eminente de meus olhos, dedos e coluna vertebral. Nunca imaginei que teria que passar por experiências tão dolorosas e humilhantes para realizar alguns trabalhos. Como por exemplo, procurar ´fat´ no google images. Na próxima encarnação, quero ser um surfista de trem.

05:49 PM | mais Coisa Nenhuma | Comente. (8)


// Bicho, só te digo uma coisa.

Ah, foi sim. Os filósofos pré-socráticos inventavam toda semana um novo elemento do qual o universo supostamente é feito (saliva, pedregulhos, muco, resina de pinheiro) só pra me fazer dormir. Tenho certeza. Cícero fazia discursos de quatro horas sobre o uso de tacapes nas Guerras, sei lá eu, da Panônia, só pra me entediar. No meio do discurso ele se interrompia (até posso vê-lo) pra piscar pra os senadores, que riam dizendo entre si, todos com a cara do Charles Laughton, “Ré ré ré, está chato mesmo, o Alexandre vai dormir. Cícero é fogo!".

Existem os gênios. E existe esse cara.

01:15 PM | mais Baboseira | Comente. (3)